top of page

A Queda de uma Barra sobre o Peito

Atualizado: 28 de jan. de 2022

“O PESO NA SUA MÃO NÃO EQUIVALE ÀS FORÇAS NO SEU CORPO”

(Tom Purvis, 2000)


A história de como 20kg rapidamente se transformam em 48kg de forças a atuar no sistema articular, e o impacto destas nas lesões articulares. Esta é uma história que podia não acontecer no ginásio. Mas a título de exemplo, vamos demonstrar com o exercício de supino plano.



A queda descontrolada de uma barra com uma massa de 20kg sobre o peito de um praticante que se encontra a treinar e que apenas é travada nos últimos 2/5 do movimento descendente.


Na primeira fase do movimento descendente os desígnios do exercício são deixados ao critério das leis da física, que explicam a forma como este corpo cai (tal qual a maçã sobre a cabeça de Newton).


Atendendo aos seguintes valores:

  • Posição inicial no eixo dos YY é de 0 m

  • Velocidade inicial no eixo dos YY é de 0 m/s

  • A barra cai 0,50 m até ser totalmente imobilizada, 0,30 m dos quais em queda livre e 0,2 sendo travada pelo indivíduo que se encontra por debaixo dela


Com estes dados (assumindo a ausência do atrito do ar e de qualquer movimento para resistir à queda da barra por parte do indivíduo), podemos considerar as seguintes expressões como explicativas deste movimento uniformemente variado:

  • g = 10 m/s2

  • vy = - 10 x t m/s

  • y = - 5 x t2 m


Logo, quando y = - 0,3 m:

  • t = 0,24 s

  • viy = - 2,4 m/s


Assumindo estes valores, a velocidade linear com que barra vem animada no momento em que o sujeito começa a aplicar força na mesma é de - 2,4 m/s. Dado que ele terá de parar a barra, a aceleração necessária para que isso aconteça em 0,1 s terá de ser:


ay = (vfy - viy)/(tf - ti) = [0 - (- 2,4)]/0,1 = 24 m/s2


Tendo imprimido essa aceleração de 24 m/s2 a uma massa de 20 kg, o nosso praticante teve de aplicar uma força (F = m.a) média, durante os últimos 2/5 da descida, equivalente a 480 N (F = 20 x 24). Ora 480 N, é o peso de um objeto com uma massa de 48 kg.



Conclusão


Quanto maior a variação da velocidade da barra, isto é, a aceleração da barra, maior terá de ser a força (visto que é dependente da aceleração) para contrariar o movimento descendente da barra. Isto traduz-se na prática em afirmar, o que muitas vezes se fala, que a variação da velocidade na fase negativa do movimento tem de ser controlada.

Caso, não haja este cuidado, os efeitos desta força acrescida vão se manifestar nas articulações, contribuindo para a sua deterioração progressiva.



O TREINO NÃO É UMA CIÊNCIA, MAS RESULTA DA CONFLUÊNCIA DE MUITAS CIÊNCIAS. ESTAS PERMITEM-NOS ENTENDER MELHOR OS MÉTODOS E AS METODOLOGIA EMPREGUES, ASSIM COMO AS SUAS CONSEQUÊNCIAS.



Nota: os valores apresentados são meramente indicativos, apesar de ilustrarem uma realidade próxima.


Esperamos tê-la(o) ajudado com esta informação. Caso necessite de ajuda não hesite em marcar uma consulta (Quiroativação). Não deixe que a sua coluna afete o seu bem-estar.


Aviso Legal:

A informação disponibilizada não representa uma prescrição. Deve consultar um profissional licenciado na área clínica antes de iniciar um programa de exercício e ser supervisionada(o) por um técnico de exercício físico ou terapeuta devidamente qualificado.

103 visualizações0 comentário
Post: Blog2_Post